maio 13, 2011

Sinceridades...

É, é meio estranho...
É um pensamento que não sai da cabeça,
Um medo que fica, pra tudo que aconteça.
É minha ponte, é meu coração solitário...

Meu relicário, minha poesia,
Seminário de alegrias...
Horas e horas a pensar,
De certa forma a falar...

Da minha mente não sai,
Nada que eu faça me distrai...
E eu quero saber...
É sincero?

E eu quero saber,
Quando eu me jogar...
Você vai nadar comigo?
Vai remar comigo?

Não vamos desistir,
Para o que ainda não passou,
Nossa história ainda no início,
Metade e fim nem se sonhou...

E esse frio gélido,
Pálido me deixa,
Pensativo e estagnado,
Mais um poema recitado.



"Remar,
Re-amar,
Amar".
(Caio Fernando de Abreu)

Rafael Nicolay

Um comentário:

  1. Emoção! Ler e sentir cada fonema. Obrigada, moço!

    ResponderExcluir