abril 24, 2017

Ogum, Cavaleiro Divino

Salve o Cavaleiro
Que veio balançar o mundo
E balança aqui neste terreiro
A prova do amor profundo

Com sua lança, abre os caminhos
Com a sua força, toca os sinos
É a cavalaria celestial
Nos dando força contra todo tipo de mal

Salve a esperança!
Salve o brasão de Jorge!
E a sua luz para com toda a humanidade

Os caminhos abertos estão
Não esqueça-se da verdade que habitas em ti
E assim saberás como domar o teu dragão

Salve Jorge,
Da Capadócia!

R.

abril 17, 2017

orbitando

estou em órbita
sinto meu corpo ser puxado à favor de um tipo de força
sei que o desconhecimento desse estado é o que me fascina
mas dar luz a isso, pode ser, uma resposta à sua existência

levito,
na presença de uma leve força gravitacional
assemelha-se ao fundo de um oceano
deveras, particular
e com tamanhas peculiaridades

aos poucos, as luzes que cintilam
demosntram partes de minha memória mundana
e meu ego, na ausência de qualquer ponto de partida
agarra-se saudosista à momentos de temporalidade distinta

sei que tudo ocorre nessa existência
eu, enquanto carnal, flutuo
no oceano de fatos que minha pequena memória consegue
por lapsos, compreender

retorno ao eixo, recuperando o fôlego
cheguei novamente a superfície
e a cada mergulho, um novo pedaço de mim, revela-se.
e em todo segundo, a noção do eu se torna etérea.

somos viajantes
rumo a constelação inata
ou à porta intacta
que habita no cerne de nós.

R.

abril 15, 2017

regeneração

Nasce, em momento oportuno
uma força preponderante sobre todo o meu ser
À ascensão de todo este poder
traduzido na mais simples e profunda palavra

És perante ao sacrifício,
seja qualquer o ofício,
Que este mais belo poder nos traz
uma de suas ramificações, definida como a paz

E este sentimento, crescente em constância
nos mostra a tamanha bonança
De nosso Pai criador,
também, que em todos os momentos é o nosso redentor

Em suas linhas complexas
a simplicidade é o que penetra nesta aresta
E ensina-nos o mais precioso entendimento
que nos sustenta no breve momento

Que chamamos de vida...

E, caro leitor,
nestas palavras simples e talvez desconexas,
espero que fique claro a raiz de toda bondade...

Que em palavras, é o anagrama do local de sua demonstração
E em tradução, é a verdade e o caminho que, deveras, é por opção.

amor

R.

abril 12, 2017

Da vida.

Ó Aurora!
Tu, a mais linda das flores
Que encanta os ouvidos com suas cores
E nos mostra o valor para com nossos amores!

Sois luz, que ilumina não só a minha
Mas coloca a consciência à escuridão
Da união entre as forças da floresta
Nos ensina como és bela a tua orquestra

E guia-nos perante à ilusão
Nos emociona e saudosistas ficamos
Ao retorno para tua mansão
Que suas paredes, feitas de amor

Tal qual o Mestre lhes ensinou
Só posso chorar e agradecer
Pelo momento do meu viver
E quiçá tentar fazer

Aos poucos, minhas preces,
Trabalhar com o que tenho e sou
À limpar estas vestes
E não me esquecer de olhar pro céu

Tal qual a boreau,
Que nos acompanha rumo ao véu
E retira-nos da dúvida,
Permanecendo a certeza no coração

Somos luz
e iluminamos a escuridão.
E assim louvamos para sempre
o mistério da criação.

Com amor,
R.

abril 11, 2017

o que nos resta... viver.

é um resto de toco
um tanto sozinho

e também é a talhadeira
a hora de retirar a casca velha
e jogar na peneira
resgatar em nós, o que nos resta

é amor, é com dor?
sofrimento?
eis o mais solene dos momentos
aquele que antecede a transformação

é a renovação da alma
quando se olha pro coração
atinge certeiro com sua flecha
e nos diz que fugir não é a festa

que sempre achamos como solução
olhar pra dentro, bem lá dentro meu irmão.
e assim, talvez, perceba os fragmentos
que rodeiam os teus lados

tu, de pé, estás nesse cubo orquestrado
talvez, por tua própria mente
ou por um estado, há tempos, dormente
és a hora de se libertar

e olhar para a raiz que insiste em ficar
talvez sua retirada seja sofrida
quiçá a jornada mais difícil da tua vida
mas aceite ela com o teu coração...

assim, como hipótese do que sou,
encontrarás algum tipo de salvação
se não a tua própria
para com tudo que fizeste uma proposta

e peregrina, andarilho do mundo
estás na matéria por um mistério profundo
e a verdade, só saberás ao final da jornada
por hora, dê atenção a tua caminhada.

R.

abril 06, 2017

salve Oxum, salve a Rainha do Mar!

eu ganho abraço enquanto canto ao louvar quem me encanta quem me dá forças para continuar e quem, de alegria, me faz chorar seja na beira do rio ou na beiramar eu sei que vou continuar essa trajetória incerta para chegar na verdade aberta ao coração lavado a alma renovada o sal é jogado... e as ondas levam o mal olhado limpeza, leveza, firmeza! eu oro, eu canto, eu choro! eu peço humildade pois é só com amor, que se conhece esse tipo de bondade e só sendo humilde... para navegar neste barco da verdade salve mamãe Oxum! salve a Rainha do Mar, Odoyá!

R.

abril 03, 2017

ama à Deus.

falo do que vejo
percebo em minhas entranhas o desejo
e não sei a melhor forma de corroborar
o que vivo, estudo e o que procuro ao caminhar

de tamanha teoria, vejo que não a possuo
pela falta de uma compreensão
ou de tentativa em ler as escrituras de um irmão
que se fez presente e para sempre está

é também pai, aonde quer que eu vá
e eu como filho, perdido em minha ilusão
reluto em aceitar o caminho dá visão
que é demonstrada na mais bela das gargalhadas

há, porém, um porquê simétrico
de submeter-me a tantos pensamentos poéticos
mas de rima, faz-se um quarto do dia
seu restante é dança e a recitação mais leve de qualquer poesia

que seria de mim, ingênuo ser
se não pudesse admirar o espelho que reflete o meu querer
e assim, tentar das artimanhas do meu ego
enganar minha própria mente em um mundo cego

talvez, seja mais uma mentira que insisto em recontar
e por tanto dizer, acabo por me enlaçar
mas tolo, sim, eu mesmo, o poeta
percebo que para este presente não possuo uma festa

quiçá, a escrita de uma partitura divina
em remissão aos tantos pecados que o meu Eu continha
e mantém... na mais bela forma de se tornar refém

daquilo que me enriquece,
em contrapartida ao que literalmente remete...

pois bem, meus irmãos...
de que adianta o conhecimento sem razão
ou sua reprodutibilidade sem o Todo resplendor...

para muitos, para mim, ser ignóbil.
é a singela falta de amor...

mútuo,
próprio.

R.

abril 01, 2017

o mundo

o mundo a tua volta
possui tantas forças e grandezas
e és lindo como o sopro do vento
e o canto das aves-marinheiras

és o local em que tua matéria repousa
e o ninho para o verso à sua volta
seria a revelação? mas de onde vens?
percorre os vales e matas... Tuas florestas!

e acompanha a junção das águas
com a imensidão do mar
és a mais bela de todas as festas!

e todo povo surge neste novo lar
e de amor, seus ninhos passam a regojizar
para com o todo, avoar.

aqui, lá e em qualquer ser-estar.

R.