fevereiro 09, 2012

O passageiro.


Acredito em suposições,
Mas excluo as superstições!
Embriago-me convicto,
Deveras formas de meu ofício.

Caminhando por casas e construções,
Perco-me mais entre as nações.
Que com ou sem bandeiras,
Depositam sua fé em vidas corriqueiras.

Sou o que você quiser ou o que sobrar,
Procuro ser a essência e o bem estar,
Sou a tua ciência e a tua veêmencia,
Mas sou o oposto e não só o desgosto.

Um passageiro em qualquer lugar do mundo,
Qualquer direção e com qualquer bagagem.
Um alguém sem qualquer descrição,
Um ninguém que está apenas de passagem.

"Um Zé da vida,
Um passageiro que só duvida."
Rafael Nicolay

3 comentários:

  1. Porque sempre vivemos de peregrinacoes...

    ResponderExcluir
  2. Que maravilhoso Rafael
    Gostei muito... Parabéns meu caro.
    Sempre estarei aqui.
    Grande abraço, bom fim de semana!!

    Dan

    ResponderExcluir